quarta-feira, 19 de julho de 2017

Sobre um grande fracassado

"Nada vem fácil para para um ser humano como eu. Isto não é uma queixa.É só uma verdade."


A GAROTA QUE EU QUERO

UMA HISTÓRIA DE MARKUS ZUSAK




   A maioria das pessoas, para não dizer todas, possui um desejo dentro de sí, um desejo que podemos chamar de "nos dar bem". Muitos lutam para conquista-lo, outros parecem que já possuem desde sempre, e alguns em um punhado da humanidade, sente que nunca irão conquistar. Entretanto ao deparar com certos exemplos, sabemos que lá no nosso interior existe uma parte que sente aquela dor, aquela que parece mais como um leve incômodo, algo que sabemos que não está certo, algo que parece esta faltando, mas, ignoramos o que é: a dor de ser um completo fracassado.


    "Uma garota", esse era o "nos dar bem" de Cameron Wolfe, e de muita gente nesse mundo não é verdade...
Mas para Cameron não era apenas o ter uma garota, era tocar, sentir e mergulhar naquilo que ela era. Não como Rube, ele sempre tinha uma garota, ele tinha o "nos dar bem", bom, por uma semana, pelo menos com a mesma garota.
    Quando somos um poço de fracasso e queremos nos dar bem, esperamos nos espelhar em algum modelo, acho que não só quando queremos nos dar bem, nos espelhamos em um modelo, é só. A maioria tem medo, medo de fracassar, mas esquece nesse meio tempo, entre a busca do modelo ideal de sucesso, que de fato, já é um grande fracasso. Cam poderia tentar ser como Rube, como Steve. Rube sempre tinha determinação, sempre sabia o que fazer, o que dizer, era pronto pra qualquer coisa, Steve a vontade, aquela de não deixar que ninguém o derrubasse, nada podia ir contra Steve, ele sempre sabia como vencer. 
    Cam não podia, sabia que não era de nada, não podia ferir aquilo que os irmãos era tentando ser como eles, ele só podia se concentrar em ser bom no que fazia de melhor: fracassar.


"EU ESTAVA MAGOADO,MAS COMO FALEI,
NÃO TINHA IMPORTÂNCIA.

EU JÁ HAVIA SIDO MAGOADO ANTES

E SERIA MAGOADO OUTRAS VEZES"


    É fácil julgar alguém, isso porque é difícil sentir o que o outra sente. Muitas vezes não sabemos bem o que sentimos, quem dirá o que sente o outra, mas é incrível como as pessoas insistem em falar de coisas que elas não sabem, bem... acho que no fundo somos uma bando de fracassados afinal. Mas depois de tudo isso, percebo que você pode esta achando que estou falando de uma história depressiva, todos sabemos, que tudo isso é um fato da vida, a pura verdade da existência humana, bom se você não sabia, acho que agora sabe, se negar só piora, acredite.
      A vida é assim mesmo, cabe a cada um como lida com isso.




     Cameron Wolfe escrevia. Quando Cam escreveu pela primeira vez ele pode ver o que ele era. Era algo a se agarrar, uma coisa só dele, uma conquista, talvez um "nos dar bem"?, talvez o caminho para esse "nos dar bem", era um segredo que ele compartilhava com ele, pôde ver sua alma. Lembra que ter uma garota era o "nos dar bem" de Cameron? Pensando melhor, talvez as pessoas possam ter esse "nos dar bem", talvez só não sabemos procurar onde. Ou talvez, todos tenham o seu punhado de fracassado e nos damos bem quando achamos outro fracassado. E meio paradoxo, eu sei, mas parece correto.
   Seja como for, Cameron Wolfe, o garoto que caminhava pelas ruas sem sentido, que olhava garotas nas revistas da barbearia, admirando suas formas,imaginado como seria ter aquela garota, como não saberia o que fazer se de fato a tivesse, sabendo que nunca a teria; o garoto que sentava em frente a casa de menina que um dia o tinha dispensado; aquele que tinha seu irmão como melhor amigo (viva o sangue dos Wolfe ).

sim, Cameron Wolfe se deu bem,
a sua maneira.




Nenhum comentário:

Postar um comentário