domingo, 30 de julho de 2017

"Quem nunca dividiu um crush com a melhor amiga?"


A TEIA DOS SONHOS

UMA HISTÓRIA DE KARINE ARAGÃO




   Sabe... daqui a alguns anos a palavra "crush" seja algo bem brega, mas é interessante o quanto não pensamos nesse fato quando a usamos, deve ser porque o peso simbólico presente nela nunca vai mudar, é... esse tipo de coisa acontece constantemente, mas essa história não é sobre isso (não apenas é claro).


   Já pensou que a qualquer momento podemos morrer? Mas é claro que já! Esse é um dos maiores dilemas do ser humano. As vezes esse pensamento fica martelando na cabeça de alguns a ponto de esquecerem de viver, para outros acontece de maneira passageira, como alguém chamando nosso nome em meio a pessoas conversando no recreio, quase imperceptível, mas sabe que tem algo lá. Entretanto, todos tem essa certeza, hoje posso está aqui, amanhã não mais, Esse é o problema!
    Ninguem nasce com um manual de como viver de modo que faça valer a pena, nem sabe o dia em que vão para o outro lado (se tiver um outro lado), bom, o fato é que as coisas acontecem e na maioria dos casos não podemos prever, ou evitar, e principalmente, voltar atras. "Então o que fazer?" talvez você concorde, talvez não, mas não há muito o que fazer, viver é simplesmente...viver.

"Quando ela pulou pela janela, parte de mim também se foi."

   As vezes eu penso que quando alguém morre, pra ela não resta muita coisa, quer dizer, não que eu não acredite em uma divindade, não é isso. Penso que o que resta pra ela não interessa a nós, afinal, diferente daqueles que vão, nós ficamos. Acho que na verdade eu não me importo com o lado de lá, mas curiosamente algo nos prende. É como se uma parte de nós tivesse morrido junto com aqueles que amamos. A questão não é os que vão, é os que ficam! O que dizer em um velório? Mais um dilema da sociedade.
   A vida podia ser bem simples não acha? Ela podia ser só, sei lá... vida não é? Pelos menos eu não sei como consolar alguém que perdeu ou outro alguém, na verdade odeio fazer isso, até porquê quem se foi não volta mais, pelo menos é esse o objetivo de quem escolhe ir (como esse é o caso da nossa história). Então por que? Por que tudo isso? Bom, não sei se você nunca percebeu, mas assim como alguém leva uma parte sua quando se vai, ela deixa muito mais de sí próprio, é simplesmente por isso.


     Uma teia dos sonhos, algumas pessoas são como teias dos sonhos, elas vem e purificam todo o nosso caos, elas seguram o nosso braço para que não pulemos. Sim! Sempre queremos pular, pular é mais fácil, mas dizer isso é egoismo meu para os que de fato o fizeram. O que os leva pular nunca é fácil, mas carregar nas costas a dor daqueles que pulam é pior, muito pior. Isso porque eles deixam tudo pra traz, um presente para os vivos, para que eles continuem vivendo com os que ficaram, dentro deles.
   Agradeça a aqueles que vão, eu sei que pode ser um pensamento meio psicopata, mas veja, eles fazem que lembremos que estamos vivos. De maneira estranha eles deixam uma grande teia dos sonhos, só para nós, porque de fato eles também nos amava. Um objetivo, um alguém, alguém para que amemos, que segure nossa mão para não pular!


"Será que ele também poderia ser uma teia dos sonhos para mim?"


  
  
As vezes só temos medo de voltar a viver, talvez achemos que não temos direito de voltar, quem sabe?! Mas é isso que nos resta, não somos nós que escolhemos viver, estamos aqui, só estamos. Cabe a nós viver, devemos isso aos que foram, aos que pularam e aos que ainda não estão nesse mundo.

NÃO PRECISAMOS DE MUITO
TALVEZ VIVER NÃO SEJA TÃO RUIM 
TALVEZ A VIDA NÃO SEJA TÃO COMPLICADA
QUEM SERA MINHA TEIA DOS SONHOS?








Saiba mais sobre ela em:
facebook.com/kkarinearagao
ou
facebook.com/ateiadossonhos
 QUEM É KARINE ARAGÃO

   "Karine Aragão é doutora em Cultura Contemporânea,
pelo Programa de Pós Graduação da PUC-RJ.
Leciona para adolescentes, em Niterói, desde 2010.
   Assumidamente apaixonada por contos de fadas, Clarisse
Lispector, Fabio Jr. e Nicholas Sparks, acredita que as
inquietações da adolescência começam para nunca terminarem.
Afinal somos apenas adultos de 20, 30, 40 e poucos anos,
tentando disfarçar, com doses falsas de estabilidade, o tormento
diante de todas as incertezas da vida..."









"O seu lugar pode ser qualquer um desse mundo.O que não quer dizer que você nunca vai errar, mesmo estando nele"

Nenhum comentário:

Postar um comentário